Advogado diz que ministra segurou vendedor pelo pescoço: “Imagens de segurança podem comprovar”

Thiego Amorim, que questionou Damares em loja, entra com representação na PGR por constrangimento, vias de fato e ameaça.

Vendedor que questionou Damares Alves em loja entra com representação na PGR. (Foto: Valter Campanato)
Vendedor que questionou Damares Alves em loja entra com representação na PGR. (Foto: Valter Campanato)
Thiego Amorim, o vendedor que se envolveu numa confusão com a ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves, numa loja de um shopping em Brasília na semana passada, entrou com uma representação na Procuradoria-Geral da República (PGR) contra a pastora, nesta segunda-feira, por constrangimento, vias de fato e ameaça. As informações do jornal O Globo.

Segundo seu advogado, Suenilson Sá, imagens das câmeras de segurança do estabelecimento podem comprovar que a ministra segurou seu cliente pelo pescoço, enquanto lhe dirigia a palavra em tom de ameaça, causando-lhe constrangimento.

De acordo com o relato do vendedor, a assessora que acompanhava a ministra no shopping teria dado um tapa na sua mão, enquanto Amorim pegava o celular para começar a gravar. O advogado disse que o vídeo que viralizou não mostra tudo o que aconteceu dentro da loja.

“Na filmagem só aparece uma parte do que aconteceu, não mostra a evolução dos fatos. Antes ele disse que a loja estava toda em promoção, ela chegou a experimentar uma roupa e foi no final que ele fez a pergunta sobre a cor. Ele começou a gravar porque se sentiu ameaçado. Não teria tido a atitude de filmar se ela não tivesse feito nada. O gesto de segurar em seu pescoço configura ameaça. Ainda que só tenha conseguido gravar uma parte, que não dá sustenção do principal, o caso tem como ser comprovado pelas imagens das câmeras do circuito interno da loja.”, afirmou o advogado.

Sá também registrou ocorrência na Delegacia Especial de Repressão aos Crimes Cibernéticos. Segundo ele, essa medida foi necessária em decorrência de uma série de ameaças que o vendedor vem recebendo por meio das redes sociais, muitas delas contendo injúrias raciais.

A expectativa de Thiego é que sejam abertas investigações referentes às duas denúncias.

“Ele não está podendo voltar pra casa diante do que está acontecendo. Não esperava por esse tipo de atitude das pessoas”, frisou o advogado.

O Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos foi procurado pelo Gay1 desde o início da tarde, mas não respondeu ao pedido de posicionamento sobre o caso.

O vendedor Thiego Amorim, que discutiu com a ministra Damares Alves. (Foto: Patrik Camporez/Agência O Globo)
O vendedor Thiego Amorim, que discutiu com a ministra Damares Alves. (Foto: Patrik Camporez/Agência O Globo)

Discussão na loja

O vendedor Thiego Amorim, de 34 anos, questionou por que Damares estava vestindo uma camisa azul, e a ministra respondeu que estava sendo constrangida. Ele afirmou ao Jornal O Globo, na última sexta-feira, que a ministra teria dito em seguida que vai “acabar com a ideologia de gênero nas escolas brasileiras”.

“Eu falei ‘vem cá, que história é essa de menino ter que usar azul e menina ter que usar rosa?’. Aí ela se aproxima de mim, põe a mão em cima do meu pescoço, sabe? Como se fosse um ato de ‘escuta aqui’. E disse ‘eu vou acabar com a ideologia de gênero nas escolas brasileiras'”, relatou.

Thiego retrucou, dizendo que sua mãe é professora e não aplicou a “ideologia de gênero”.

“Aí eu falei que isso não existe. Ela falou: ‘eu sou professora, isso existe’. Eu falei: ‘amor, minha mãe é professora e leciona há 20 anos e nunca levou isso para a escola’. Eu perguntei a ela: ‘por que você está de azul, então?’. Foi a hora que ela saiu e falou: ‘você está me constrangendo’, explicou.

Tags

Artigos relacionados

1 comentário

  1. Essa história tá difícil de engolir, mas espero que ele comprove o que está falando com as filmagens… de toda forma, nesse momento, não concordo com o seu posicionamento como vendedor. Vendedor é pra vender e não para contranger os clientes ou mesmo questionar seus clientes sobre suas convicções.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar