Candidatos que destruíram placa em homenagem a Marielle são eleitos no Rio

Um dos candidatos do PSL que publicou um vídeo do momento em uma rede social foi o mais votado a deputado estadual.

Rodrigo Amorim e Daniel Silveira, eleitos deputados estadual e federal do Rio de Janeiro pelo PSL. (Foto: Reprodução/Twitter)
Rodrigo Amorim e Daniel Silveira, eleitos deputados estadual e federal do Rio de Janeiro pelo PSL. (Foto: Reprodução/Twitter)
Com 140 mil votos, Rodrigo Amorim (PSL) foi o deputado estadual mais votado do RJ. Ele aparece numa imagem destruindo uma placa com o nome de Marielle Franco. Daniel Silveira (PSL) aparece ao lado de Rodrigo na foto e também foi eleito, mas para o Congresso Nacional com 31 mil votos. Ambos concorreram pelo partido de Jair Bolsonaro.

A placa foi colocada no Centro do Rio, como uma intervenção urbana para homenagear a vereadora, substituindo o nome original do local: Praça Floriano. No dia 30 de setembro, a dupla anunciou que faria a ação.

Numa publicação no Instagram naquele dia, Silveira, que também é soldado da Polícia Militar fluminense, convoca “toda a direita conservadora” para assistir a vídeo que, mais tarde, de fato foi publicado. O PM marca na postagem o também candidato do PSL Rodrigo Amorim, que disputou a Prefeitura do Rio, em 2016, como vice de Flávio Bolsonaro, filho do presidenciável.

O texto de Silveira no dia de divulgação do vídeo diz que ele e Amorim mostrariam à “esquerda progressista que uma defensora do banditismo e do coitadismo não pode ser a única a ser lembrada ante 60 mil homicídios” por ano.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
Três dias depois, na noite desta quarta-feira (3) – após circular uma foto dos candidatos com a placa em homenagem à vereadora destruída – o PM publicou, no Facebook, uma justificativa para o ato e mudou o tom do discurso.

No novo texto, Silveira diz que militantes de esquerda renomearam ilegalmente a Praça Floriano, no Centro do Rio, “colando uma placa fake por cima da original”. Depois de se referir à vereadora como “defensora do banditismo e coitadismo”, o candidato então defendeu que a o caso de assassinato seja investigado e os autores punidos.

Tags

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar