Alunos denunciam questão com teor homofóbico em prova de faculdade de medicina de Goiás

Enunciado diz que 'noivo serelepe' de paciente de 24 anos furou abscesso na nádega 'em movimento rodopiante de bailarino, imitando um beija-flor'. Universidade de Rio Verde diz que investiga o caso.

Questão com teor homofóbico em prova de faculdade de medicina de Goiás (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)
Questão com teor homofóbico em prova de faculdade de medicina de Goiás (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)
Alunos de medicina da Universidade de Rio Verde, na região sudoeste de Goiás, denunciaram anonimamente um professor por preconceito contra pessoas LGBT por causa de uma questão de prova. Em nota, a instituição diz investigar o caso.

O enunciado da questão afirma que o paciente Davi, de 24 anos, estava com abscesso na nádega “e seu noivo serelepe, ao ver aquele quadro horroroso, ficou tresloucado e furou o abscesso com espinho de limoeiro em um movimento rodopiante de bailarino, imitando um beija-flor”.

A prova, de acordo com o grupo, foi aplicada na semana passada para os 67 estudantes da disciplina de clínica cirúrgica, do 5º período de medicina. O Gay1 não tive acesso ao professor que teria elaborado a prova.

Em nota, a Universidade de Rio Verde disse que abriu um processo administrativo para averiguar a veracidade da denúncia, já que ela foi anônima, e também se a questão foi de fato utilizada na prova, em qual turma, por qual professor e, ainda, se o conteúdo estava na questão.

“A UniRV lamenta e repudia veemente qualquer manifestação desrespeitosa quanto a diversidade de gênero e religiosa e o uso de palavras e expressões que atentem contra princípios éticos, morais, culturais e pedagógicos”, afirma o texto.

A nota diz ainda, que, se os fatos forem comprovados, a universidade vai tomar as providências previstas no regimento interno da instituição.

Prova que teria sido aplicada na Universidade de Rio Verde, para turma de medicina, com questão de teor homofóbico. (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)
Tags

Artigos relacionados

3 comentários

  1. Bobagem. O tema da questão levanta pontos de uma doença que instiga a mente e pode ficar latente por décadas até que a pessoa fique imunodeprimida. A doença que eu já dou o diagnóstico chuto como sendo Paracoccidioidomicose ou Doença de Lutz Splendore Almeida e que em casos de AIDS ela evolui violentamente. Acho que o Professor não quis escrever diretamente que se tratava de uma evolução para imunodepressão e fez um balé mental de sugerir que comportamentos para os médicos também devem ser sinais, sem julgamentos de ser bom ou ruim socialmente ou moralmente, mas apenas para se chegar num diagnóstico. Para fazer o aluno pensar e ter malícia, de que tudo deve ser elocubrado.

  2. Acrescentando, só acho que a questão foi mal desenvolvida ao não descever o aspecto do abscesso e de nao colocar as alternativas com antifúngico. alguns professores gostam de confundir usando a palavra antibiótico no lugar de antifúngico. Posso estar errado nisso tudo, mas…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close